Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Destaques > DECEA fomenta o 1° Simpósio de Tecnologias Antidrones - Aspectos Legais
Início do conteúdo da página

DECEA fomenta o 1° Simpósio de Tecnologias Antidrones - Aspectos Legais

Publicado: Terça, 02 de Abril de 2019, 02h00 | Acessos: 40

Não raras vezes são veiculadas pela imprensa notícias sobre a interrupção nas operações aéreas, na maioria dos casos, pelo acesso indevido de aeronaves remotamente pilotadas (RPA) em áreas próximas a aeroportos.

Há pouco mais de dois meses, por exemplo, o avistamento de um drone, em área não permitida para este tipo de atividade, fez com que o Aeroporto de Congonhas, localizado na zona sul de São Paulo, fechasse por 20 minutos.

Semanas antes, o aeroporto de Gatwick, no Reino Unido, passou mais de 24 horas fechado ao tráfego aéreo, ou seja, pousos e decolagens foram desviados ou cancelados.

Segurança é pré-requisito básico na aviação, se não há garantia de ir e vir ao local de destino, aeroportos fecham, voos são cancelados, aeronaves saem de operação.

No Brasil, a organização responsável pelo controle do espaço aéreo brasileiro é o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) que, em 2016, lançou o Sistema de Solicitação de Acesso ao Espaço Aéreo por RPAs, o SARPAS, com o objetivo de facilitar e agilizar a tramitação de pedidos.

Além da autorização concedida pelo DECEA, os equipamentos devem estar homologados pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) e cadastrados no Sistema de Aeronaves não Tripuladas (SISANT), gerenciado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Sem o preenchimento de todos estes requisitos, não pode haver operação de RPA. O acesso ao espaço aéreo deve ser feito de forma responsável e quaisquer iniciativas que não estejam de acordo com estas prerrogativas são passíveis de multa ou penalidade. E, neste caso, o RPA passa a ser um inimigo da segurança na navegação aérea.

Já existem tecnologias que identificam, monitoram e neutralizam drones voando de forma irregular em regiões próximas a aeródromos. Este será o tema do 1° Simpósio de Tecnologias Antidrones - Aspectos Legais -, evento organizado pelo DECEA, programado para os dias 13 a 15 de maio deste ano, em São Paulo.

Durante a programação também serão identificadas as ferramentas legais a serem implementadas na neutralização de drones que desenvolvam operações ilícitas, bem como as medidas que poderão ser aplicadas ao operador.

Quanto à questão jurídica, há várias questões que precisam ser debatidas como, por exemplo, se um drone, de propriedade de terceiro, é neutralizado pelo sistema antidrones, quem será responsabilizado se houver danos materiais ou físicos em pessoas, propriedades ou animais? Leia mais

registrado em:
Fim do conteúdo da página